terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Summer trip..!

O verão ia longo demais. O trabalho era mais que muito e a vontade de fugir da rotina era igualmente enorme. Desafiei a Matilde a irmos de férias a irmos de férias. Entre "discussões" sobre o destino, acabámos por escolher onde nos conhecemos. Após muitos anos de inúmeras confidências e amizade, era a altura de fazermos férias juntos. Sendo verão, decidimos por um destino ainda mais quente, onde ninguém nos conheça e onde pudéssemos fazer o que realmente nos apetecesse. Nunca se sabe quem encontraríamos na nossa viagem e que histórias teríamos para contar mais tarde.
Chegados ao destino não perdemos tempo e já o estávamos a aproveitar. Corpos deitados na areia quente, sol abrasador, águas mornas, destino paradisíaco. Início perfeito.
Nessa noite decidimos sair. Matilde sai do quarto completamente produzida. Um vestido curto e decotado que delineavam bem todas as suas belas curvas. -"Vais deixar os homens doidos logo na primeira noite!" exclamei eu. Matilde sorriu e disse que nunca se sabe quem poderia encontrar. A noite foi longa, bem regada e bastante divertida. Conhecemos algumas pessoas. Mas Matilde era sem dúvida o centro das atenções e não podia ser de outra forma. O seu vestido, os seus cabelos louros e a sua pele morena não deixava homem nenhum indiferente. No entanto e durante a noite houve algumas provocações de parte a parte. Seria o álcool a falar? Seria o calor que se sentia nessa noite? Claramente que comecei a olhar para Matilde com outros olhos. E as provocações aumentavam ao longo da noite. Acabámos no entanto a terminar a última bebida da noite, na praia, a ver o nascer do sol.
Poucas horas dormidas, pequeno almoço tomado, de novo estendidos na areia e acompanhados das nossas caipirinhas, as nossas conversas iam aquecendo e a vontade ia aumentando. Decidimos alugar uma moto 4 e explorar outras praias durante a tarde. Levámos alguma bebida connosco para a viagem e metemos-nos a caminho. Sempre pelas praias e caminhos de terra batida, fomos parando em algumas praias e dando os nossos mergulhos. Acabámos por descobrir uma praia pequena mas deslumbrante. Decidimos ficar por esta praia e aproveitar uma vez que a tarde já ia longa. Fomos bebendo o que tínhamos levado para o caminho. As provocações aumentavam e claramente que já nos olhávamos de maneira diferente. O bikini pequeno de Matilde salientava todas as suas curvas. Era impossível não pensar em outras coisas. Decidi apimentar um pouco a tarde e desafiei-a a tomar banho nus. A praia deserta convidava a isso mesmo. Matilde recusou a ideia, mas não o mergulho. Entre mergulhos e brincadeiras, chego-me junto dela e pergunto-lhe se nunca tinha tido o desejo de nadar nua no mar. Matilde concorda dizendo que toda a mulher sonha com isso e começa a sair do mar, ainda para mais quando o Sol já ia baixo, com uma cor laranja fantástica.. Acompanho-a e volto a provocá-la. Encosto-me a ela agarrando-a pela cintura, pergunto ao ouvido se vai deixar fugir a oportunidade. Matilde solta um breve gemido e antes de responder começo a desapertar a parte de cima do seu bikini e dando pequenos beijos no seu pescoço e num ombro. Ela leva as suas mãos ao seu peito não deixando o bikini cair. Levo as minhas mãos às dela, apertando o seu peito e puxando-a contra mim. Volto a beija-la no pescoço, trinco suavemente a sua orelha, ouvindo os seus gemidos com mais frequência, até que ela inclina a sua cabeça e a sua boca vem em direcção à minha. As nossas bocas e línguas encontram-se numa vontade incontrolável. Estando agarrada a ela, Matilde começa a sentir a minha excitação encostada ao seu corpo. Leva a sua mão até ao meu pénis ainda por cima dos calções onde o aperta e começa a massajar.  Sente a minha excitação a aumentar na sua mão, quando a viro para mim e beijo-a localmente, deixando assim Matilde soltar a parte de cima do seu bikini e caímos os dois na toalha à nossa frente. Começo a explorar todo o seu corpo com a minha boca. Beijo o seu volumoso peito enquanto o aperto com as minhas mãos. Trinco suavemente os seus mamilos, começando a ouvi-la gemer mais regularmente. Continuo a descer sempre beijando, passando pela sua barriga e chegando à sua tanga. Começo a retira-la com as mãos e com a ajuda da boca. Subindo beijando as suas pernas lentamente, Matilde afasta-as indicando o que pretendida. Chegando à sua vagina a minha língua concentra-se agora e proporcionar-lhe o máximo de prazer. Os seus gemidos são agora mais audíveis, a sua mão agarra o meu cabelo, e os meus dedos ajudam a minha língua. O ritmo vai aumentando bem como o seu desejo. Sinto-a contorce-se enquanto os seus gemidos aumentam. O seu corpo treme. Atingia o orgasmo sentido-se descontrolada. Ainda ofegante puxa-me pelo queixo e beijamos-nos loucamente. A sua mão rapidamente vai de encontro ao meu pénis, completamente excitado e começa a retirar-me os calções. Deita-me na toalha e sem perder tempo a sua boca envolve o meu pénis e com a ajuda da mão começam a proporcionar-me um aumento de excitação brutal. Os meus gemidos também aumentam não sabendo quanto tempo aguento assim. Puxo-a para o meu colo onde se encaixa de imediato no meu pénis. O calor entre ambos é imenso. Sinto toda a sua excitação à medida que Matilde começa os movimentos em cima de mim. As bocas encontram-se loucamente. Matilde aumenta a intensidade enquanto coloca o seu peito na minha cara, onde o beijo e acaricio enquanto desfrutamos os dois da vontade imensa que tínhamos. Rolando na toalha sem nos largarmos, começo eu a comandar os movimentos agora. Com penetrações intensas e os nossos corpos encostados o desejo só aumenta. Matilde completamente descontrolada agarra-se às minhas costas enquanto atinge novo orgasmo. Entre gemidos e com alguma dificuldade em falar, Matilde pede para não parar. Aumento ainda mais a intensidade. Matilde atinge o clímax novamente. Completamente ofegante, pouco depois pego nela e coloco-a de quatro à minha frente. Agarrando nas suas ancas, volto a penetra-la ainda com mais intensidade. Os nossos gemidos são constantes. A vontade é imensa. Em movimentos intensos, pego nela pelo peito, trazendo-a para junto de mim sem deixar de a penetrar. Beijo-lhe no pescoço. Aperto o seu peito. Os movimentos não param. Matilde volta a cair na toalha e tento aumentar os meus movimentos. A excitação era muita. O meu corpo começa a tremer. O auge estava perto. Percebendo isso e momentos antes, Matilde deita-se na tolha virando-se para mim, enquanto pouco depois atingia o auge cobrindo o seu peito e barriga, e caindo a seu lado depois, ambos ofegantes. Momentos depois soltávamos sorrisos sobre o que tinha acabado de acontecer.

Menos ofegantes, convido-a para o banho no mar. Um por-do-sol fantástico, uma temperatura ainda bastante quente, e os nossos corpos nus no mar a desfrutar. Pouco depois e chegando-se junto a mim, Matilde beija-me novamente enquanto a sua mão faz questão de me voltar a excitar. Pegando-a ao colo, penetro-a novamente dentro de água. Com ritmos mais calmos e ao sabor do mar, a nossa vontade volta a aumentar. Sem parar de nos beijar-mos, e agarrando nas suas pernas com força, trago-a para a beira mar, onde a deitando na areia húmida, volto a possuí-la ainda mais intensamente que antes. Matilde agarra-me pelo rabo ajudando nos movimentos que eram cada vez mais intensos e rápidos. Nisto senta-me na areia e num movimento lento volta a encaixar em mim. Os seus  movimentos de anca deixa-me descontrolado. Agarro o seu rabo com força. Beijo o seu peito. As nossas línguas voltam a encontrar-se. A excitação não pára de aumentar. Matilde volta a sair e coloca-se de quatro novamente. -"Sou toda tua!". Louco de desejo, volto a iniciar os movimentos sendo os mesmos bastante intensos. As ondas pequenas chegavam até nós. Matilde voltava a atingir o orgasmo. A sua vontade parecia não ter fim. Tentava aumentar ainda mais o ritmo. Não aguentando e gemendo mais, tento aumentar um pouco mais antes de ter o orgasmo. Nisto ela sai e colocando-se de joelhos à minha frente, coloca o meu pénis na sua boca, chupando com uma vontade enorme. Ajudada pela sua mão, apertando o meu pénis com os seus lábios, sentido a sua língua, rapidamente e não aguentando, atinjo o orgasmo na sua boca.
Cansados, ofegantes, sorridentes, estamos deitados encaixados a observar o por-do-sol. Após o sol se pôr, decidimos voltar ao hotel. Afinal, as férias ainda estavam apenas no início.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

The Beginning of something new!


Uma política de baixa influência, alta, elegante, olhos verdes, morena, cabelos castanhos longos, aparência cuidada, roupa descontraída, charme natural, aparência não mais que 40 anos.
As nossas vidas cruzam-se por circunstancias inexplicáveis. Talvez tenha sido o destino, no entanto a troca de letras no endereço de email foi o suficiente para uma historia de aventura e cumplicidade.
Após troca de uns emails, decidimos então darmos corpo à recente amizade que travámos. Um café calmo e descontraído numa bela tarde de sol e num local bem público. Conversa banal, não deixando no entanto de proporcionar algumas trocas de sorrisos. Após o café cada um segue a sua vida. À noite arrisco e faço um convite para uma ida ao cinema. Prontamente aceite, combinámos encontrar-nos à porta do cinema. O filme não estava nada interessante. O mesmo não se pode dizer do resto. Sala praticamente vazia, as nossas mãos perdem-se pelos nossos corpos, as nossas bocas encontram-se em beijos cheios de desejo. O mote estava lançado.
Seguido ao cinema, a noite termina num motel em Sintra com todos os condimentos para uma noite de loucura. Estava um pouco tímido. Ela era uma estranha com cerca do dobro da minha idade, que no entanto me tinha cativado desde a primeira troca de olhares. 
Fomos perdendo a timidez aos poucos através da nossa troca de beijos e enquanto as nossas mãos exploravam os corpos mutuamente. A vontade aumentava a cada instante, quando passava as mãos no seu delineado peito, descendo pelo seu corpo e apertando as suas cochas caímos na cama. A vontade explodiu ao som da música ambiente que despertava todo o nosso desejo. As roupas rapidamente caiam ao lado da grande cama redonda. A minha boca já percorria o seu pescoço, o seu peito, a sua barriga, chegando à sua vagina onde pouco depois Sofia tinha o seu primeiro orgasmo da noite. Eléctrica e querendo muito mais, levanta-se, empurra-me contra a parede e colocando-se de joelhos à minha frente, começa então louca de desejo a excitar-me tão bem quanto sabia. Foi a vez dela me fazer chegar ao limite. Após uns goles no champanhe presente no quarto, a excitação continuou ainda mais intensa, quando pego em Sofia ao colo, penetrando-a enquanto caímos na cama. Movimentos intensos e cheios de desejo, rapidamente rolávamos na cama e sob o controle de Sofia, a excitação era tremenda. 
Subindo ao encontro da boca dela, pegando-a pelo rabo sento-me à beira da cama. Sofia senta-se no meu colo iniciando os seus movimentos de costas para mim. Aperto o seu peito, beijo-lhe nas costas, puxo o seu cabelo. Os gemidos de Sofia aumentam, ainda mais quando os meus dedos a masturbam enquanto salta no meu pénis. Como a vontade era tanta, e sem deixar de penetrar, levanto-me e Sofia inclina-se para a parede. Agarrando nas suas ancas, começo os movimentos fortes obrigando-a a encostar-se à parede. Os gemidos aumentam. O desejo também. Puxando novamente o seu cabelo Sofia pede mais. Aumento ainda os movimentos quando sinto as pernas dela a tremer. Estava a ter outro orgasmo ainda mais intenso acompanhado por imensos gemidos. Senti-a a contrair-se no meu pénis. A excitação era muita e o orgasmo estava a chegar. Percebendo isso Sofia ajoelha-se à minha frente, recebendo o meu êxtase no seu peito.
Seguiu-se um banho no jacuzzi onde a exploração de corpos e prazer continuou. Após algumas carícias e toques estávamos novamente desejosos de mais e a penetração voltou a acontecer. A excitação era tanta que Sofia ao fim de pouco tempo entrou num curto circuito de orgasmos que não conseguia controlar. Louco e extasiado com a sua reacção e de a química entre nós ser de tal ordem que quando percebi que já estava de rastos de tantos orgasmos seguidos, não aguentei a minha excitação juntando-me a ela nos orgasmos. Acabámos o banho e deitámos na cama para recuperarmos o folgo.
Mas Sofia estava louca e viciada. Levanta-se colocando a sua vagina perto da minha boca, agarra no meu pénis começando a masturbar e a passar a sua língua. Agarrando nas suas coxas, começo a lamber a sua vagina completamente húmida e cedente de mais. Empurrando-a para baixo e colocando-a de quatro à minha frente, inicio novamente a penetração, bem intensa. Agarro os seus cabelos. Puxo-os. Sofia volta a gemer sem parar. Enquanto vou penetrando, começo por colocar um dedo no seu rabo. Os gemidos aumentaram. Coloco dois dedos. Sofia contorce-se de prazer e geme completamente louca. O meu pénis então começa a penetrar o seu rabo. Primeiro lentamente, explorando devagar o seu ânus. Iniciando os movimentos lentamente, Sofia agarrando-se aos lençóis e entre gemidos pede por mais. Os meus movimentos aumentam de intensidade. Agarro as suas ancas com força. Sofia gemia sem parar. Volta novamente ao estado eléctrico  e explode numa sucessão de orgasmos sem parar. 
A noite estava longe de acabar, explorando cada canto daquele quarto. Mas acima de tudo, explorando cada um de nós, sem tabus ou limites, usufruindo de todo o nosso prazer. No entanto a noite acaba com um pedido cheio de mistério por parte de Sofia. Decidido a descobrir, aceitei sem pensar...

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Weekend trip!

Após a noite em casa dos nossos amigos, decidi convidar Cláudia a irmos passear e almoçar juntos. Prontamente aceitou e no sábado de manhã lá estava eu à sua porta. Entrou no carro e beija-me no canto da boca seguido de um largo e contagiante sorriso! Pergunta-me os planos. Sintra era o destino! O plano de viagem estava traçado. De manhã Palácio da Pena, almoço em Sintra seguido de passeio, jantar e passeio na Quinta da Regaleira à noite. Dia muito animado, e muito provocante! Cláudia sabia bem como provocar e não bastava o seu curto e decotado vestido que enalteciam o seu volumoso peito e as suas pernas, acompanhados por um bronze invejável! Na Regaleira à noite, as provocações aumentavam. Os imensos cantos e recantos eram sempre aproveitados para uns beijos cheios de desejo e mãos bastante provocadoras. Num desses recantos, encostando-a à parede, beijei-a loucamente, subindo o seu vestido com a minha mão, desafiando a sua tanga e penetrando os meus dedos na sua vagina, completamente húmida e sedente de tesão! Quase a fiz atingir o orgasmo, abafando os seus gemidos com a minha boca. Quando senti que estava quase parei. Não seria ali! Queria deixa-la louca para o fim da visita. Não antes de me masturbar também no mesmo sítio.
Chegados ao carro, Cláudia atira-se à minha boca beijando-me intensamente e passando a mão no meu pénis por cima das calças. Disse-lhe que tinha um quarto reservado num hotel. "Pensaste em tudo para este dia" - atira Cláudia! Sorri e segui caminho, enquanto Cláudia me desaperta as calças e começa a masturbar-me. Chegados ao hotel e antes de sairmos do carro, a sua boca encontra o meu pénis para mais uma provocação! Chupou um pouco. Estava quase mas ela também não quis...
Subimos ao quarto. Uma suite com vista privilegiada. Mal entrámos, Cláudia decidiu tomar conta das operações. Empurra-me para a cama e baixando-me as calças rapidamente a sua boca voltou a abocanhar o meu pénis! Chupou e chupou! Estava louca! Sentou-se num meu colo com o vestido subido. A sua vagina ainda com a tanga tocou no meu pénis e sentia-se a excitação! Retirei-lhe o vestido e o seu soutien, libertando o seu peito onde a minha boca e as minhas mãos se centraram em lhe dar prazer. Ainda em cima de mim, os meus dedos penetraram a sua vagina... Gemeu! Tremeu! Levantou-se e retirou a tanga, sentando-se na minha boca. Lambi-a... chupei-a... as minhas mãos agarravam e apertavam o seu peito. Cláudia contorcia-se. Cláudia gemia. Desceu e sentando-se no meu pénis, começou a cavalgar bastante frenética. Os seus movimentos de anca deixavam-me louco! Agarrava no seu rabo enquanto trincava os seus mamilos. Sem deixar de penetrar, rolámos na cama. Era a minha vez de comandar! Os movimentos continuaram. As nossas bocas não se largavam. Os lábios eram mordidos. O pescoço também. Cláudia crava as suas unhas nas minhas costas enquanto tremia. Estava a ter um orgasmo. Não parei. Ambos atingimos o orgasmo em simultâneo. Caídos na cama, enquanto tentávamos acalmar, Cláudia beija-me. Um beijo longo e intenso. E os meus dedos foram novamente ao encontro da sua vagina. Ainda molhada. Volta a gemer e a contorcer-se. Cláudia levanta-se e coloca-se por cima de mim. Senta-se novamente na minha boca, mas desta vez a sua boca também estava ocupada. Um fantástico 69 que deixou ambos loucos. Ela saiu e senta-se no meu pénis de costas para mim. Sento-me na cama também e ela começa a saltar em cima de mim. Beijo-a na nuca enquanto puxo o seu cabelo. Masturbo-a com a outra mão. Aperto também o seu peito. Os seus gemidos aumentavam a excitação de ambos. Pegando nela, encosto-a à parede. Penetrei-a contra a parede com bastante tesão e vontade. Estava "agressivo". Estava excitante. Estava uma grande tesão! Ambos doidos. Ambos queríamos mais.
Coloquei-a de quatro e penetrei-a agarrando com força nas suas ancas. Movimentos intensos novamente e os gemidos de Cláudia aumentavam a cada momento. Puxava o seu cabelo e a sua cabeça para trás. Penetrava bem fundo. Cláudia tremia e entre gemidos pedia: "Come-me por trás!" Louco de desejo, lentamente fui iniciando a penetração. Bem excitado, Cláudia contorcia-se a cada instante de penetração, iniciando posteriormente os movimentos. Rapidamente os movimentos se tornaram intensos. Cláudia gritava. A tesão de ambos era tal que Cláudia tinha orgasmos múltiplos e o meu estava a chegar. Percebendo isso, Cláudia coloca-se de joelhos à minha frente, aguardando que explodisse para a sua cara e o seu peito. Cláudia levanta-se e beijando-me na boca diz-me que vai tomar um banho para se limpar que já voltava. Juntei-me a ela pouco depois. Entre beijos e carícias, volta a chupar-me no banho. Como ela adora chupar-me e como ela percebe o quanto eu gosto. Após o banho Cláudia saiu primeiro, fiquei eu a terminar. Cláudia já estava no quarto. Quando chego, Cláudia deitada na cama, de tanga colocada. Mas os seus dedos já penetravam a sua vagina. Estava sedenta. Eu também. A noite estava longe de terminar. 

segunda-feira, 4 de julho de 2016

What a day...

Era aquela semana que nada corria bem, o stress do trabalho, a correria nos transportes , a azáfama da semana de passa a correr! Fecho os olhos e já são são 7:00! Foda-se! Adormeci! 
É sexta-feira... Preciso de mim, do meu tempo da minha paz! São 18;00 passo em casa, coloco umas roupas e vou sem destino! Preciso! Segunda feira estou de folga ! Três dias inteiros para mim! 
Não entro na auto estrada e decido fazer o percurso por caminhos que desconheço. Posso encontrar um local agradável para comer e descansar... 
Faço 50 quilómetros, por caminhos inóspitos e porque tinha que ser assim, o carro começa a deitar fumo para somar à merda da semana que tinha tido, abro o capôt e radiador furado ... No meio do tanto que já me tinha acontecido durante a semana, a reacção foi rir! Rir à gargalhada... Não podia ser pior! Já não tinha bateria no telemóvel ... 
Via-se, a pouco mais de um quilómetro uma pequena vila iluminada... Não me restava outra opção ... Andar a pé ...
Homens não tenham pena, eu treino! Tenho aquelas pernas que vocês gostam de gabar, e aquele rabo que gostam de agarrar com tesão quando nos pegam ao colo! 
Não fui eu que pedi! Mas as deusas ninfas puseram-no no meu caminho ! Eu tinha que estar ali, naquele dia aquela hora! Vejo uma luz numa garagem , peço desculpa, explico o sucedido e pergunto se me pode ajudar. Estava suado, aquele suor que vocês mulheres sabem que é sexy, aquele que tem aroma, aquele que nos deixa loucas só de olhar! Aquele homem era um TESÃO!! Estava a treinar... Sorriu, disse-me para me sentar e gentilmente foi-me buscar um copo de agua! Quando regressa cola os olhos nos meus, não fujo , não pestanejo porque o quero! Preciso! Vem direito a mim, da me a água e enquanto bebo coloca a mão dentro a minha blusa... Fico inerte , excitada, sem saber por onde começar ... Puxo o cordão das calças do fato de treino, encosto-o a mim... Rasga-me a blusa, beija-me como um louco , a língua percorre o meu corpo... Faço o parar... Deito me e coloco o à minha frente. Masturbo-o a ele e ao mesmo tempo que me masturbo com o olhos postos nele... Não percebo se a forma como me olha , é tesão por massaja-lo ou se é pelo presente que lhe estou a dar, ao deixá-lo ver me masturbar , porque me toco, porque alternadamente coloco o pénis dele na minha boca , e com movimentos doces mas intensos o lambo e deixo no novamente, para que ele veja como me toco, como lambo os meus dedos e volto a tocar-me até ele se vir no meio peito... Ele sabe e vê que não estou saciada, que quero mais ... Quero senti-lo todo dentro de mim, quero que se venha e me coma como um animal que sabe a diferença entre foder e magoar! Quero -o ! Agarra-me as mãos atrás das costas , puxa-me o cabelo naquele momento que tudo é tesão , penetra me por trás, e come-me devagar, fundo, sinto tudo vibrar dentro de mim , não quero que acabe , quero mais, devagar, quero vir-me devagar... O playboy larga-me o cabelo, agarra-me o peito, lambe-me as costas, lambe-me a vagina, lambe-me o ânus e tudo o que tenho é dele! Possui-me novamente ! Estou agora sentada ao colo , e sem oferecer resistência tenho vontade de o lamber também ... Mas deixo - o que me coma sentada... Desejo-o mais e mais ... Não quero parar... Estou a agarra-lo, encosto-lhe os bicos do meu peito nos lábios , estão duros,  lindos, prontos para aquela língua lamber , e trincar devagarinho , sorrimos e deixando que os nossos corpos cedam à
vontade que têm de se vir ... E gemo de tesão, gemo de desejo porque é bom demais ... Bom demais ... Foi bom demais !!!
É verdade ... Lol ...  O carro ... Bem ... O carro a seguradora tratou ... De mim tratou o playboy ! Não sei o nome daquele lugar ... Sei que não vou esquecer o resto! 
Um beijo da vossa Matilde ! 
Vivam !

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Unexpected end!

Daniel e Susana convidaram uns amigos a jantar em casa deles para contarem sobre as suas férias de Verão e mostrarem as suas fotos. Jantar muito animado e divertido. Depois de jantar bebemos uns digestivos e mais uns quantos dedos de conversa, três casais convidados em virtude de já serem pais, não ficaram até muito tarde, ficando apenas eu, os anfitriões e a Cláudia. Uma morena bastante vistosa que há muito me seduzia. Ficámos à conversa onde o casal da casa continuou a contar as suas aventuras das férias. No entanto e com o passar do tempo e da bebida, tanto eu como a Cláudia começámos a puxar por eles e a pedir pormenores picantes. Ao início um pouco tímidos a bebida rapidamente tratou de os soltar. Entre a típica aventura na praia, à varanda do quarto de hotel, houve uma que se destacou que nos surpreendeu. Numa noite no bar do hotel conheceram um casal de italianos. No dia seguinte passaram todo o dia juntos onde se foram conhecendo melhor, tendo acabado a noite os quatro juntos no quarto de Daniel e Susana. Bastante curiosos não tardámos a perguntar por pormenores e sobretudo se era algo que já tinham feito, tendo eles dito que já faziam swing há algum tempo.
A Cláudia diz que o swing sempre a seduziu, mas primeiro gostava de estar com outra mulher, fantasia que tinha e que nunca tinha concretizado. Nisto o Daniel pergunta se nunca sequer tinha beijado uma mulher, à qual a resposta foi negativa. Daniel olha para a namorada sorrindo, quando Susana se levanta em direcção a Cláudia, sentando-se no seu colo e colocando a mão na face dela, os seus lábios tocam-se primeiro suavemente desfrutando do momento, seguido de um beijo bem mais intenso e cheio de desejo. Daniel olha para mim e sorrindo, pergunta a Cláudia o que acha do momento. Não respondeu e continuou a beijar cheia de desejo a bela mulher que tinha no seu colo e começando a perder a timidez inicial e colocando já as suas mãos à descoberta do corpo de Susana. As peças de roupa de ambas começaram a sair, estando já a Cláudia a beijar o peito da amiga num misto de delicadeza e vontade. Estando todos sentados no sofá e nós homens a gostar claramente da nossa visão, digo às meninas para não se esquecerem que ali estávamos também. Entre risos e olhando para nós com caras de bastante desejo, pedem-nos para eu e o Daniel nos sentarmos lado a lado. Após o fazermos, Susana coloca-se à frente do namorado de joelhos, repetindo o mesmo gesto Cláudia mas à minha frente. Ambas começaram a tirar-nos as calças, sendo já visível a tesão de ambos. Após nos despiram, ambas começaram a chupar com bastante vontade cada um de nós respectivamente. Passado um pouco Susana olhando para o namorado e sorrindo, vem ao nosso encontro e juntando-se a Cláudia, ambas me proporcionam o primeiro grande momento da noite. Antes de eu atingir o clímax, foi a vez de Daniel de ser presenteado com as duas. No entanto estava Claudia de joelhos à sua frente enquanto Susana se colocou de joelhos no sofá. Claramente percebendo a intenção, coloquei-me por trás dela e penetrei-a lentamente, aumentando progressivamente os movimentos. Os primeiros gemidos começaram a soltar-se, quando Daniel se levanta e pede à Cláudia para se sentar à frente da namorada. Assim o fez, começando de imediato Susana a lamber a vagina da amiga. Claudia soltou o primeiro grande gemido enquanto Daniel colocava o pénis na sua boca. Cláudia não demorou muito a ter o seu primeiro orgasmo da noite, claramente devido à boca e aos dedos da amiga.
Novamente sentados lado a lado no sofá por ordem delas, foi a vez de ambas se sentaram no nosso colo. Agora já com Susana com o seu namorado e a amiga comigo. Enquanto se movimentavam em cima de nós, ambas se beijavam e se tocavam, assim como nós o fazíamos com elas. Saíndo de cima de nós novamente, foi a nossa vez de lhes deitar-mos no sofá enquanto eu e Daniel lhes começámos a dar prazer com as nossas bocas e dedos, ao mesmo tempo que elas se beijavam e acariciavam. O desejo delas era tanto que nós não demorámos muito a fazer com que ambas chegassem ao orgasmo e ambos intensos. Claudia pediu para a lamber. Queria saber como era lamber uma vagina. Queria fazer vir outra mulher. E assim o fez, ambas sozinhas envoltas numa grande sensualidade enquanto eu e Daniel apenas observávamos mas com imensa vontade que ambas acabassem para nos juntarmos novamente. Pegando em Susana ao colo, deitei-a no sofá tendo-me colocado por cima dela e penetrando-a. Daniel pega na amiga e colocando-a de quatro, penetra-a por trás. Aproveitando a posição e enquanto ambas eram possuídas, beijavam-se cheias de vontade e desejo. Precisando de mais espaço, fomos para o quarto deles utilizando assim a sua cama. Onde voltámos a trocar de parceiras com alguma frequência. Até que Susana pede-me que me deite na cama e sugerindo a Claudia que se coloque em cima de mim iniciando os movimentos e dizendo à amiga que ia adorar uma situação. Segundos depois de Claudia começar a cavalgar em cima de mim, Daniel aproxima-se da Claudia por trás e pede-lhe para descontrair. Não percebendo inicialmente o que ele queria, e sem ela desligar do meu pau, Daniel lentamente inicia a penetração anal com a namorada a ajudar. Os gemidos dela aumentavam. Após finalizar a penetração, ambos começámos os movimentos. Claudia gemia, Claudia gritava, Claudia tremia, Claudia tinha orgasmos múltiplos. Eléctrica, frenética, não parava de se vir. Foi sem dúvida um dos pontos altos da noite para ela. Passado um pouco desta situação, foi a vez de Susana ser presenteada com a mesma situação, trocando agora nós de penetrações e acontecendo o mesmo com Susana num misto de vários orgasmos.
Após este momento de loucos, eu e Daniel colocámos ambas de quatro à nossa frente na cama penetrando-as em movimentos bastante intensos, agarrando as suas nádegas e puxando os seus cabelos, elas não deixavam de se beijar, estando viciadas uma na outra.
Dando a entender que estaríamos perto do orgasmo, ambas se colocaram de joelhos à nossa frente, chupando e masturbando-nos até nos virmos nas suas bocas, caras e peitos.
Caindo na cama cansados e no meio de sorrisos e risos com o que tinha acabado de acontecer, era tempo de recuperar o fôlego. Era a primeira pausa da noite.
Ambas foram à casa de banho para se limparem, no entanto e passado poucos segundos de terem saído do quarto eu e Daniel fomos ao seu encontro. Esta noite estava ainda longe de terminar.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

A new perspective...!


Após as várias histórias aqui lidas, decidi também fazer parte deste confessar de emoções.
Matilde, sempre desejosa de momentos escaldantes, não podia passar a oportunidade de deixar aqui os meus registos.

Estávamos no inicio do mês de Setembro, aquele verão prolongou-se nesse ano, as noites eram quentes, os corpos mais despidos e dourados devido à praia e ao sol.
Éramos amigos há imenso tempo, mas aquele corpo sempre me seduziu... Era musculado, os braços fortes e aqueles abdominais que já tinha tido a oportunidade de ver na praia.... Meu Deus... Nunca deixei (acho) transparecer o quanto me seduzia. Ambos divorciados, admiração mútua devido à cumplicidade que sempre tivemos, desde o tempo do liceu.

Vamos beber qualquer coisa, disse-me por mensagem, apetece-me um Gin, vamos?!
Final de tarde, acabava de chegar da praia pedi-lhe 20 minutos para me arranjar. Coloquei um decote que me enaltecia o peito, e uma mini saia provocadora!
O Ford Mustang Cabriolet buzina e eu desço.

Assim que me viu , os olhos do João percorreram o meu corpo, arderam de desejo, nunca o tinha visto olhar para mim daquela forma... Inadvertidamente mordo o lábio e coro... Sinto o corpo a aquecer, os meus mamilos a ficaram rijos e sinto-me a ficar molhada... O final de tarde prometia...
Quebrámos o gelo com a conversa trivial, mas a minha cabeça já não estava ali ... Estava naquele corpo, naqueles braços, naquele rabo, naquela boca carnuda, naquele sorriso atrevido e sexy!

Onde vamos? Pergunto quando estou de regresso à realidade.

Estava a pensar num sítio tranquilo onde possamos conversar e beber qualquer coisa? Alguma sugestão? Pergunta com ar atrevido ...

Tenho....

Sem esperar um segundo ponho-lhe a mão no pénis, que em segundos fica duro para mim...

Estava a pensar que nunca mais - Diz.

João, temos que encostar! Agora! Eu quero-te AGORA!

Procurando um local discreto, e conduzindo muito devagar ele toca-me na vagina, aqueles dedos atrevidos desviam a minha tanga e ele coloca os dedos em mim ... Não consigo parar, fico à sua mercê ... O João tira os dedos de mim, e olha-me nos olhos, leva os dedos à boca, lambe-os e diz-me: Sabes tão bem... 
Encontrámos o local perfeito, com vista para a baía, o sol estava a pôr-se, aquele era o momento perfeito! Começa a fechar a capota, peço-lhe que deixe assim...
Quero usufruir daquele corpo, daquele pôr-do-sol e daquele cabriolet...
João agarra-me da nuca e beija-me cheio de desejo, sussurra-me ao ouvido: Hoje és minha, quero tudo! Aquela boca desce pelo meu decote, lambe-me os mamilos duros, aquela língua começa a percorrer o meu corpo, estou agarrada aqueles braços , aquela boca regressa à minha e ele faz questão de se encostar a mim para que eu sinta como ele está sedento de mim, como está pronto ... Sentada no banco do pendura, faço-o subir mais um pouco, tiro-lhe as calças, o boxer Armani e aboquenho cheia de desejo o que está ali, o pénis do João... Beijo-o, lambo-o e as minhas mãos ajudam a masturbá-lo, ele geme ao som que tem vontade, agarra-me os cabelos a pede-me que pare, não quer chegar já ao clímax!

Abre a porta do carro, puxa-me para fora, encosta-me ao capot, vira-me, levanta-me a saia... Lambe-me e aquela língua descobre pontos que me excitam cada vez mais e que desconhecia ... Despe-me a tanga e ao mesmo tempo lambe-me as pernas, de súbito sinto-o penetrar-me por trás ! "FODA-SE" penso ... "TÃO BOM!" Devagar, gostoso, eu tenho as mãos no capot, põe a mão no meu decote , agarra-me com força, os movimentos começam a acelerar e eu peço-lhe para não parar, os dois em simultâneo entre gemidos de prazer atingem o clímax ... Eu não estou saciada, quero mais ... Viro-me beijo-o na boca, a minha língua brinca com a dele, mordo lhe os lábios e digo que o quero outra vez! Ele pega-me ao colo, senta-me no capot , deita-me e a língua dele brinca com o meu clitóris, agarro-o pelos cabelos e sinto cada gesto que ele vai alternando com a língua, com os dedos, e com o pénis duro... Leva-me ao rubro! Venho-me cheia de prazer e quero retribuir ! Sento-o no banco traseiro, e enfio na minha boca aquele pénis duro que me encheu de prazer, ajudo com as minhas mãos, entre beijos, mãos, roço aquele pénis nos meus mamilos, enfio de novo na minha boca, lambo-o e .... Explode! O João explode de prazer na minha boca, para o meu decote ... Os nossos corpos ficam encostados ... Nus ... No banco de trás do carro ... Quando acordamos são 2 manhã... Sorrimos... Trocámos um beijo e seguimos ...

- Matilde

quarta-feira, 8 de junho de 2016

A promising summer...!

Após alguns meses de ausência Sara voltou a dar sinais de vida. Como Sara tem namorado, não gosto de ser eu a tomar a iniciativa para iniciar uma conversa, esperando que fosse ela a dizer algo. Demorou mais do que o esperado, mas perguntou-me se estava disponível para um café esta noite.
Combinámos num local recatado para não chamar atenções. Sara disse que estava sozinha por uns dias. Obviamente que percebi a dica e que era óbvio de como a noite iria acabar. No entanto ainda estivemos um pouco à conversa e naturalmente a nossa última aventura tinha que vir ao de cima. A minha curiosidade caía sobre se já o tinham feito anteriormente. Sara confirmou a minha suspeita e contou que já o tinham feito algumas vezes juntas, inclusive com os namorados de ambas respectivamente. A conversa foi o rastilho para o resto da noite. Pouco tempo depois Sara diz-me que tinha a casa de férias dos pais vazia. Saímos para o meu carro e mal entrámos, beijo Sara com bastante vontade e desejo, prontamente correspondido. Durante o caminho houve vários toques e carícias entre ambos, até que Sara abre-me as calças e debruça-se sobre mim engolindo o meu pénis. Foi uma viagem "complicada" mas cheia de adrenalina!
Quando chegámos a casa dela, ainda no elevador encostei-a à parede, beijando-a e colocando a minha mão por baixo da sua saia, sentindo assim o desejo que também já tinha. Mal entrámos em casa e fechámos a porta, entre beijos e carícias as nossas roupas saíram. Peguei-a ao colo e deitei-a no sofá. Beijando cada centímetro da sua pele, acariciando todo o seu corpo, chegando ao seu centro de prazer e com a minha língua e os meus dedos, concentrei-me em lhe dar todo o máximo prazer. Não demorei muito a fazer-lhe chegar ao orgasmo, mas não foi por isso que parei. Continuei concentrado e disposto a fazer-lhe atingir ainda mais o êxtase. O seu corpo tremia, os seus gemidos aumentavam. Estava novamente a ter um novo orgasmo, e eu continuava ainda com mais vontade. Entre os gemidos ela pedia para parar, mas não queria. Eu não parava, nem os orgasmos dela. Até que subi de encontro à sua boca, beijando-a intensamente enquanto finalmente a penetrava. Os seus gemidos continuavam e o seu corpo eléctrico não parava de tremer. Nisto Sara empurra-me para trás, sentando-me no sofá. Levanta-se e provoca-me um pouco com o seu corpo, passando o seu peito na minha cara e empurrando-me contra o sofá. Até que senta-se em de costas para mim, começando os movimentos primeiro lentos e aumentando progressivamente. Com as minhas mãos, apertava o seu peito e masturbava-a ao mesmo tempo enquanto beijava as suas costas. Os seus gemidos soltaram-se novamente.
Passado um pouco levanto-a e já de pé, Sara debruça-se e apoia-se na mesa, estando eu por trás a iniciar os movimentos e puxando ligeiramente os seus cabelos. A vontade e desejo de ambos aumentavam. Até que Sara me pede para me sentar numa cadeira, colocando-se de seguida no meu colo. Num beijo cheio de desejo, enquanto se sentava em mim, os movimentos voltaram a começar. lentos mas bastante intensos. as minhas mãos agarravam o seu rabo com força enquanto as nossas bocas não se conseguiam largar. Até que Sara aumenta os movimentos, e o desejo de ambos aumentava, sendo perceptível que ambos não iriam aguentar muito mais. Beijava o seu peito, beijava o seu pescoço, voltava a beijar a sua boca, e ambos já a tremer, atingíamos o orgasmo em simultâneo,
Deitados de seguida no sofá a recuperar o fôlego, e não passado muito tempo, Sara de joelhos à minha frente volta a concentrar-se em que fique novamente cheio de desejo, para a segunda ronda. Desta vez num dos quartos, voltámos a dar asas à imaginação. Encostando Sara à parede de costas para mim, voltei a possuí-la, desta vez já cheio de vontade. Os gemidos era imensos. A vontade de ambos também. Sara atingia novamente o orgasmos. Nunca a tinha visto assim. Caímos na cama, foi a vez dela comandar as operações. Cavalgando em cima de mim enquanto eu beijava o seu volumoso peito e apertava o seu rabo. Os seus movimentos deixavam-me doido. Com os meus gemidos a aumentar Sara apercebeu-se que era a minha vez, volta a descer com o seu corpo e a engolir o meu pénis com a sua boca, e com toda a sua vontade fez-me atingir o orgasmo.
Ambos estávamos ligados à corrente e a noite não ficou por aqui. De manhã e já depois da fantástica noite, pergunto a Sara: "Não tens saudades da tua irmã?"
Sara respondeu olhando para mim apenas com uma grande sorriso!